PGRS: entenda porque sua empresa precisa desse programa - Poli Júnior

PGRS: entenda porque sua empresa precisa desse programa

PGRS: entenda porque sua empresa precisa desse programa

Atualmente, diversas empresas poluem o meio ambiente, algumas de maneiras extremamente nocivas.

Outras menos, por não conhecerem as soluções mais adequadas para a destinação final dos resíduos gerados.

Entre os principais problemas causados pelos resíduos, se destaca diretamente os problemas gerados na saúde pública.

Cólera, leptospirose e hepatite são apenas algumas das doenças que os resíduos podem desencadear quando destinados de forma incorreta e de forma a contaminar a água utilizada por diversas famílias em seu dia a dia.

Para que isso não ocorra, o governo desenvolve as políticas públicas a serem aplicadas, e entre elas o PGRS - Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos.

Mas afinal, porque a sua empresa necessita deste programa?

Neste conteúdo, iremos tirar algumas das suas dúvidas sobre o PGRS e qual a importância para a sua empresa.

 

O que é o PGRS?

O PGRS (Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos) é um documento técnico que possuem valor jurídico e identifica o tipo e a quantidade gerada de cada resíduo em uma empresa, indústria ou órgão público. 

Seu objetivo é minimizar a produção de resíduos e garantir que eles sejam encaminhados de forma segura e eficiente, garantindo uma melhor saúde pública e preservando os trabalhadores, meio ambiente e recursos naturais.

Nesse documento, é importante que algumas informações sejam elencadas. Dentre elas:

  • Descrição do empreendimento ou atividade;
  • Diagnóstico dos resíduos gerados, contendo a origem, o volume e a caracterização dos resíduos;
  • Explicitação dos responsáveis por cada etapa do gerenciamento de resíduos sólidos;
  • Definição dos procedimentos operacionais nas etapas do gerenciamento de resíduos sólidos sob responsabilidade do gerador;
  • Identificação das soluções consorciadas ou compartilhadas com outros geradores;
  • Ações preventivas e corretivas a serem executadas em situações de gerenciamento incorreto ou acidentes;
  • Metas e procedimentos relacionados à minimização da geração de resíduos sólidos;
  • Medidas saneadoras dos passivos ambientais;
  • Ações relativas à responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos;
  • Periodicidade de sua revisão.

 

Como funciona o PGRS?

Buscando garantir o atingimento de seu objetivo, o PGRS integra o processo de licenciamento ambiental das organizações. 

Nele, são descritas quais as ações que devem ser tomadas no manejo dos resíduos sólidos através do planejamento e implementação a partir de bases técnicas, científicas, legais e normativas.

Para isso, são observadas as características do ambiente onde eles são gerados e de que forma é garantida a segurança das pessoas envolvidas nas etapas do ciclo de gerenciamento dos resíduos. 

Por fim, ele analisa como funciona, em geral, a geração, separação, acondicionamento, coleta, armazenamento, transporte, tratamento e destinação final de cada tipo de material. 

 

Quem precisa ter o PGRS?

De acordo com a Lei 12.305/2010, referente a Política Nacional de Resíduos Sólidos, a implementação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos é obrigatória a todas as organizações que são geradoras, e as mesmas são responsáveis pelo adequado gerenciamento dos seus resíduos.

Nessa lei, se enquadram todas as organizações que são:

  • Geradores de Resíduos Industriais: se aplica a toda e qualquer indústria no país, seja do ramo alimentício, automobilístico, equipamentos eletroeletrônicos, têxtil, entre outras;
  • Geradores de Resíduos da Construção Civil: todas as empresas que participam das etapas de reparos, reformas e construção, além de demolições, escavações de terrenos e preparação em geral;
  • Geradores de Resíduos dos Serviços Públicos e de Saneamento Básico: empresas de drenagem das águas, órgãos de tratamento da água e do esgoto, empresas prestadoras de serviços para saneamento básico, entre outras;
  • Geradores de Resíduos de Serviços de Transporte: todos os resíduos originados por meio das empresas de terminais alfandegários, rodoviários, ferroviários, portos, aeroportos e até mesmo fronteiras;
  • Geradores de resíduos de atividades agropecuárias e silviculturais: aqui, se encaixam as indústrias de processamento de produtos agrícolas como arroz, feijão, soja, milho, café, mandioca, etc., além dos açougues, frigoríficos, matadouros, abatedouros, entre outros.
  • Geradores de Resíduos de Serviços de Saúde: os resíduos gerados principalmente pela indústria da saúde, como hospitais, clínicas, consultórios e a indústria farmacêutica em geral;
  • Geradores de resíduos perigosos, ou caracterizados como não perigosos, por sua natureza, composição ou volume: todos os estabelecimentos de gerem esse tipo de resíduo, que deve ser descartado de forma correta por causarem maiores danos.

 

Quem exige e quem elabora o PGRS?

De forma geral, o PGRS é exigido pelos órgãos ambientais de cada município, seguindo a sua regulamentação a respeito da responsabilidade de descarte. 

Portanto, apesar de ser um documento requerido e fiscalizado pelos órgãos licenciadores, existem diversas alterações e exigências diferentes encontradas em cada região.

Para que a elaboração seja realizada de acordo com essas exigências, a sua organização deve ter o auxílio de profissionais qualificados

Pois, conforme a Política Nacional de Resíduos, o gerador deve designar um responsável técnico devidamente habilitado

Essa habilitação é aplicada a qualquer profissional que possua registro em Conselho de Classe (CREA, CRQ, CRBio, etc.) e formação em algum curso técnico ou superior que possua ligação com a área da gestão ambiental.

Além disso, todos os anos, o PGRS deve ser revisto e atualizado com base nas atividades do estabelecimento.

 

Quais os benefícios da realização?

Além do cumprimento de uma exigência legal, existem diversos outros benefícios que o PGRS pode trazer para a sua organização. 

A partir da elaboração do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos, a sua empresa conseguirá controlar todos os processos geradores de resíduos, de forma a otimizar, reduzir gastos e aumentar lucros

Isso ocorre devido à possibilidade que a organização terá de visualizar todas as etapas, identificar quais geram mais resíduo e, consequentemente, de que forma é possível reduzir a geração ou fazer com que ela seja reaproveitada, seja pela própria empresa ou por outras, especializadas em sua reutilização. 

Basicamente, os resíduos podem até vir a se tornar fontes de receitas.

Você pode gostar:
> Como reciclar resíduos orgânicos da forma correta

Outro fator importante a ser destacado é que, a partir do PGRS, é possível reduzir e evitar grandes poluições, assim como suas consequências para a saúde pública e o meio ambiente.

 

Conclusão

O Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos, PGRS, fará com que sua indústria dê um passo a frente para se tornar uma social e ambientalmente responsável, garantindo saúde ao seu entorno.

Pois, quer queira ou não, sua empresa faz parte de uma sociedade e ela tem um papel a cumprir.

Caso tenha dúvida de como implementar essas ações no seu negócio, você pode nos contatar pelo próprio site ou telefone também, sem maiores compromissos.

Solicite já seu projeto e faça um orçamento! 

Quer conhecer mais sobre engenharia química? Clique aqui e acesse nossos outros posts!

 

Inscreva-se na nossa Newsletter