6 dicas para criar o melhor aplicativo para seu negócio - Poli Júnior

6 dicas para criar o melhor aplicativo para seu negócio

6 dicas para criar o melhor aplicativo para seu negócio

O processo de criação de um aplicativo é semelhante a de qualquer outro produto focado no consumidor final, é necessário analisar o mercado, ter uma ideia em mente, e correr atrás de conhecimento técnico, ou alguém que já saiba desenvolver o produto. 

Partindo do pressuposto que você já decidiu fazer um aplicativo, o foco deste texto será te ajudar a decidir o rumo e sua finalidade. 

Para isso, primeiro focaremos na visão do consumidor, pois afinal, é ele que fará uso do seu aplicativo, e pagará pelo mesmo. 

Confira as 6 dicas que preparamos para você:

  1. Proposta e necessidade
  2. Funcionalidade
  3. Design
  4. Suporte
  5. Custo
  6. Comparação Final
  1. PROPOSTA E NECESSIDADE

Pode parecer óbvio, mas o primeiro ponto a se pensar (e convenhamos, o mais importante) se refere à função do aplicativo, e a necessidade do consumidor que procura o aplicativo. 

Teremos assim, que pensar na melhor opção considerando o hardware já possuído. 

Tome como exemplo um cliente, estudante de engenharia, que procura um aplicativo para tomar anotações de aula e registrar lembretes.

Considere que o seu aparelho diário de registro é um tablet, acompanhado de uma stylus, e que ele tem algumas preferências quanto ao aplicativo, como o uso da stylus para escrita digital, conexão com a “nuvem”, acesso rápido entre diferentes dispositivos, organização modular e a possibilidade de inserir fotos.

 

  1. FUNCIONALIDADE

O próximo tópico se refere a como o aplicativo realmente “roda”, como é a integração dele com o seu dispositivo. 

Ele trava muito? Quão intuitivo é sua interface? O aplicativo cumpre o que propõe? 

No caso de aplicativos grátis, isso é fácil de testar, basta baixá-los e usar os mesmos. 

Porém, no caso de aplicativos pagos, como analisar a funcionalidade do aplicativo sem usá-lo? 

O único jeito é (in)felizmente depender da opinião de outros (de preferência que procuram o mesmo que você), seja em reviews escritas, vídeos no YouTube, posts em blogs e opiniões de conhecidos que utilizam tal aplicativo.

 

  1. DESIGN

Essa categoria não se refere somente a quão esteticamente agradável é a interface do aplicativo, mas principalmente em como o design dele se relaciona com a funcionalidade do mesmo. 

O design agrega a usabilidade, ou ele foca apenas na aparência? É muito importante entender que um aplicativo pode ter uma UI bonita, mas isso não necessariamente significa que este é um bom aplicativo. 

Como diz o famoso provérbio popular: “Não julgue um livro por sua capa”.

 

  1. SUPORTE

Uma propriedade que pode ser essencial para a escolha do seu aplicativo é o suporte dado pelos desenvolvedores. 

Note que talvez, esse tópico não seja tão importante em alguns casos (por exemplo, caso esteja buscando um aplicativo muito simples, que cumpre sua funcionalidade básico e não tem bugs). 

Agora, para ver se um aplicativo tem bom suporte, o caminho não é tão claro como nos outros casos. 

Leia as notas de atualizações dos aplicativos, considere de quanto em quanto tempo as atualizações acontecem, veja se são adicionadas novas funções, e principalmente, se os desenvolvedores respondem as dúvidas dos clientes, sejam em como usar o aplicativo, ou problemas com bugs e afins. 

 

  1. CUSTO

Este item é simples, mas não menos importante. 

Compare o preço dos aplicativos e, tomando como base os argumentos levantados anteriormente, escolha o que faz mais sentido a verba disponível. 

Não se esqueça que às vezes, o mais barato custa caro, é essencial analisar o custo-benefício das opções, as funções do aplicativo devem justificar seu preço.

 

  1. COMPARAÇÃO FINAL

Agora, utilizaremos os exemplos dados e faremos uma comparação entre eles para achar o melhor aplicativo para o cliente citado.

Há vários jeitos de fazer isso, mas com objetivo de facilitar a explicação, criamos uma tabela comparativa relacionando as funções de cada aplicativo, e seu respectivo preço.

O resto depende do consumidor, analisar cada aplicativo e ver o que vale mais a pena. Pondere as funções e veja quais são mais importantes para o seu uso.

Estas são nossas dicas para o consumidor final, mas afinal, qual a relevância disso para você, micro-empreendedor? 

Bom, essas são exatamente as coisas com as quais você precisa se preocupar, mas do outro lado da janela, pela visão do desenvolvedor e dono do aplicativo. 

Pela perspectiva do consumidor, você conseguirá traçar uma rota geral e dar início ao seu projeto. 

 

Tem alguma ideia, ou mesmo uma vontade de entrar nesse mercado mas não sabe com quem falar? 

Entre em contato conosco da Poli Júnior e te ajudaremos a encontrar uma solução personalizada.

 

Inscreva-se na nossa Newsletter