EVENTOS     |     TRAINEES     |     POLIBLOG

Como deixar sua bebida gelada por mais tempo?

Descubra como melhorar a eficiência de seu produto para que ele deixe sua bebida na temperatura que você deseja por mais tempo!

De que adianta ter aquela bebida que você adora se ela não se encontra na temperatura que você deseja consumir?

Ou se ela permanece por pouco tempo na temperatura desejada?

O prazer de tomar uma bebida só é completo se ela está do jeito que gostamos!

(no local, na temperatura, com praticidade e design certos!).

Por mais que a geladeira e o freezer possam manter os alimentos e bebidas na condição ideal, eles não são práticos e demandam muita energia elétrica para isso.

Outra alternativa seria utilizar o isopor, mas é preciso repor o gelo  depois que ele derrete – e isso ocorre rapidamente -, além do fato que ele não permite que você escolha a temperatura que deseja manter a bebida; e seu visual não é dos mais agradáveis e práticos.

Mas qual a melhor solução para manter a bebida mais fresca?

Pensando nesses critérios, a Poli Júnior publica esse texto a fim de ajuda-lo(a) a tornar seu produto (protótipo) de acondicionamento de  bebidas/alimentos mais eficiente.

Os procedimentos a seguir farão você determinar a menor espessura que o material isolante (ou seja, material que dificulta a passagem do calor) deve ter para que o seu protótipo mantenha a bebida que ele armazena em determinada faixa de temperatura, e por certo tempo, que você julgue ideais.

Com isso, será possível tornar se produto com design mais agradável e mais leve, para que você possa leva-lo em qualquer lugar para desfrutar da sua bebida.

Basta, seguir os 4 passos que serão apresentados!

 

4 passos para você desenvolver o melhor modelo refrigerador:

 

#1) Definição e realização de testes:

tendo em vista o uso e o ambiente em que será realizado o consumo das bebidas, é preciso fazer testes de medições periódicas da temperatura de diversos compartimentos do protótipo e da bebida.

Para saber como as condições ambientes interferem na “resposta” do sistema (protótipo e bebida).

Recomenda-se o uso de um termopar.

#2) Identificação da condição:

identificar qual das condições simuladas nos testes leva a bebida a ter uma temperatura mais “fora” da temperatura que você deseja.

Por exemplo: gostaria que a bebida ficasse entre -1 e 3 graus Celcius, e verifiquei que quando o ambiente está a 36 graus Celcius a bebida mais se distancia da faixa de temperatura que eu desejo.

Além disso, identificar se a temperatura da bebida varia muito ou permanece praticamente constante durante o período em que o texto foi realizado.

Com base nisso, os cálculos a serem realizados serão definidos.

#3) Cálculo do calor:

Se a temperatura do sistema variar pouco, para calcular o fluxo de calor Q pelas paredes do material isolante utilize a seguinte expressão:

Q = VρCPΔT/Sta

Onde:

V: volume do fluido estocado (se houver solução refrigerante – como gelos reutilizáveis -, esta também pode ser contabilizada nesse termo);

ρ: densidade do fluido;

CP: calor específico do fluido;

ΔT: queda ou elevação desejável de temperatura, ou seja, intervalo em que a temperatura pode variar durante o período de armazenamento;

S: superfície média de perda térmica =S2-S1/ln(S2/S1)  sendo S2 área interna ao isolamento térmico e S1 área interna ao isolamento térmico;

t: tempo de armazenamento da bebida;

a: coeficiente de correção que considera as perdas de calor através dos suportes e outros pontos especiais. Varia de 1,1 a 3. Quanto maior o valor de a, maior a espessura do material isolante.

#4) Cálculo da espessura da camada de material isolante:

Utilize a equação clássica de Fourrier para determinar qual a espessura que o material isolante do seu protótipo deve ter para manter a bebida na temperatura e pelo tempo que você deseja.

A equação é: Q = −kdT/dx. Em que k é a condutividade térmica do material isolante.

É comum aproximar dT para a média de variações de temperatura.

(identificada no procedimento #2) desse texto), e dx para Δx (a espessura procurada).

Ou seja, determinar a espessura que a camada de isolante deve ter para não permitir variações térmicas superiores à estipulada pelo intervalo da expressão Q =VρCPΔT/Sta .

Se você acha que realizar todos esses passos seja muito complicado, não se preocupe!

A Poli Júnior está aqui para realizar esse projeto para você a um preço muito acessível.

Faça o cadastro do seu projeto que em breve entraremos em contato.

camila.lembo@polijunior.com.br

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.