Aquecimento solar: vale o investimento?

O Sol é, muito provavelmente, a fonte de energia mais antiga utilizada pelo ser humano. Desde sempre, os raios solares têm incidido sobre o planeta, gerando uma energia gratuita, renovável e sem resíduos. No entanto, por muito tempo, o alto custo de implementação freou a escalabilidade do seu uso. Com a evolução da tecnologia, esse panorama tem mudado, especialmente em se tratando do uso doméstico, com diversos métodos de utilização.

Um dos modos mais comuns de se utilizar essa energia é o aquecimento solar das águas quentes da casa. Por meio de painéis coletores e de reservatórios térmicos, esse sistema pode aquecer desde a piscina ao chuveiro e à torneira, sendo uma alternativa muito interessante para os modos clássicos de aquecimento, como gás e eletricidade.

O sistema funciona por meio de placas coletoras de vidro, que recebem a radiação solar, retêm esses raios e, com isso, aquecem canaletas que passam por dentro delas com a água. Essa água, que se aquece enquanto passa pelas placas, vai parar em um reservatório térmico, vedado, que garante a manutenção da temperatura. Ali, a água fica à disposição dos residentes para qualquer uso que se queira dar.

O fato de a água ficar armazenada, pronta para ser usada, evidencia um dos benefícios desse sistema: não há aquele risco de tomar pingos gelados ao se ligar o chuveiro, ou ter que desperdiçar muita água enquanto se espera a torneira esquentar.

Além disso, como já foi dito anteriormente, essa é uma energia totalmente sustentável e renovável, sem gerar qualquer tipo de resíduo para a natureza – no mundo atual, algo muito importante pensando no longo prazo!

Por outro lado, apesar de a energia advinda do Sol ser gratuita, a instalação do sistema não é – muito pelo contrário, por muito tempo tinha valores fora da realidade, o que impedia a disseminação da tecnologia.

Hoje, no entanto, isso mudou! Em geral, para residências de porte médio, o conjunto das placas e do reservatório custa entre R$ 2.000 e R$6.000. Esse investimento é rapidamente revertido para o cliente: considerando um aproveitamento de 80%, o valor da conta de luz pode diminuir até 40%, o que significa que o valor investido pode ser retornado entre 1,5 e 3 anos. A partir daí, é só economia no bolso do dono da casa!

Vale apontar, por fim, que esses sistemas costumam durar até 20 anos. Ou seja, são mais de 15 anos de contas de luz mais baixas, manutenções mais fáceis e uma energia mais consciente!

Quer conhecer mais sobre engenharia civil? Clique aqui e acesse nossos outros posts!

 

Autor: Renan Pontirolli

marketing@polijunior.com.br

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.